Workshop de Alimentação Infantil Biológica | As receitas

Este sábado dei um workshop sobre Alimentação Infantil Biológica, no espaço Bio & Natural do El Corte Inglés Gaia-Porto (há vídeos inclusive na minha página de Facebook e na do Bio também, caso queiram espreitar). Foram duas horas que passaram a voar e foi uma experiência inesquecível, a de falar e cozinhar ao vivo no supermercado, não só para quem se inscreveu, mas para todas aquelas pessoas que iam passando – e algumas provando – o resultado da minha inspiração. Como prometido, deixo-vos aqui as quatro receitas que fiz. E porque nunca é demais, agradeço novamente ao ECI pelo convite e à Ana em particular, que tem sido inexcedível, assim como à Catarina, que esteve ali o tempo todo comigo como uma verdadeira companhia e companheira de aventura. Pequeno-almoço: panquecas em formato de gelado (idade: + 12 meses) Ingredientes 1 banana pequena, madura, esmagada 1/2 iogurte de bebé natural (ou grego light açucarado) 120 ml de bebida vegetal de amêndoa sem açúcar adicionado 150 g de farinha de espelta branca 1 colher de sobremesa de fermento em pó 1 pitada de canela 1 colher de sopa de mel (opcional) só a partir dos 2 anos Para decorar: 1 banana, cereja,...

Continuar a ler

Sopa de lentilhas, batata-doce e germinados de alho [receita biológica]

Muito se fala sobre o consumo exagerado de açúcar, mas pouco se tem lido sobre o de sal.  Em 2016, dei início à guerra. Apesar de achar que não me excedia nas minhas receitas, os cinco gramas diários recomendados pela OMS eram largamente batidos em pequenas coisas: azeitonas, frutos secos, e por aí fora.  O sal é um produto tóxico –  tão letal como o açúcar – e custa milhares de vidas por ano em Portugal, milhões em todo o mundo. Está concentrado sobretudo em alimentos processados (cerca de 75%, para ser mais exacta), tais como enchidos, conservas, pão de forma, massas instantâneas, caldos de compra, molho de soja, bolachas. Uma pizza de supermercado tem cinco gramas de sal, o que significa que a dose diária é atingida numa só refeição.  Portugal é viciado em sal. Cada português consome, em média, 11 gramas por dia. Uma boa forma de cortar no sal é arranjar alternativas que “enganem” o paladar. Usar de temperos naturais como cebola, alho, ervas aromáticas, limão. E dar-lhe/dar-nos tempo. Ninguém consegue comer um arroz sem sal de repente, se toda a vida o ingeriu com sal. Não é só insosso, é intragável. Mas se começarmos a reduzir,...

Continuar a ler

Workshop sobre Alimentação Biológica Infantil | 21 de Janeiro | ECI Gaia Porto

Lembram-se de eu vos ter falado aqui, na última receita biológica para bebés, sobre uma boa notícia que queria partilhar convosco? Ei-la, sem demoras e com muito entusiasmo: Sábado, dia 21 de Janeiro, vou estar no El Corte Inglés Gaia-Porto, entre as 16h e as 18h, a dar um workshop sobre alimentação biológica infantil. Ao longo das duas horas – que se prevêem bastante prolíficas – vou cozinhar algumas receitas originais e práticas, assim como darei dicas úteis para prepararem refeições nutritivas e saudáveis para os bebés e crianças aí de casa, que, na verdade, são aptas para toda a família.No fundo, no fundo, vou transportar a rubrica Sweet Bio For Kids do mundo digital para o real e isso vai ser bem giro. Mesmo que seja apenas por um par de horas. Conto convosco? 🙂 O workshop é gratuito, mas o número de vagas é limitado e, como tal, a inscrição é obrigatória. Podem fazê-lo no site elmag.pt, a partir do dia 16 de Janeiro.

Continuar a ler

Papas de aveia para bebés com maçã e clementina [receita biológica]

Última receita antes do Natal.  A Sweet Bio For Kids, rubrica de alimentação biológica infantil em parceria com o espaço Bio & Natural, foi um projecto pioneiro em 2016 e um dos que mais feliz me faz. Cozinhar para a Camila é mais do que uma necessidade, um acto de amor. E partilhá-lo faz todo o sentido. Sempre fui uma pessoa muito prática e acho que sou uma mãe relativamente relaxada. Faço sopa para dois ou três dias, arroz, massa, purés para duas vezes e vou intercalando. Se ela um dia almoçar e jantar a mesma coisa não é um drama, desde que eu saiba que as outras refeições cumpriram os (meus) mínimos pré-definidos no que respeita à quantidade de vitaminas e minerais.  De evitar, só mesmo as papas (como a Cerelac), que são uma concentração de açúcares que não traz nenhum benefício concreto. Os bebés adoram e engordam. E fica por aí. Uma das refeições preferidas da Camila são estas papas de aveia às quais eu adiciono, desde que elas apareceram em força, sumo de clementina (ou tangerina), o aporte de vitamina C fundamental para ajudar a combater as constipações. A tâmara adoça, a aveia garante a energia e,...

Continuar a ler

Salada de abóbora assada, grão-de-bico e rúcula [receita biológica]

Quando soube que o espaço biológico do El Corte Inglés Gaia Porto tinha grão-de-bico seco tratei logo de pensar numa receita onde o pudesse usar. É que a par da abóbora é o ingrediente que mais tenho consumido – porque me apetece sempre – neste Outono quase Inverno, muito à semelhança do que aconteceu no ano passado por esta altura (vejam este caril de abóbora e grão). Quer isto dizer, que esta salada resvala para a perfeição. Já vos tenho falado inúmeras vezes sobre a importância e os benefícios de consumirmos ingredientes orgânicos e tenho lido, desse lado, comentários de quem se desmotiva facilmente devido ao preço dos produtos. Alguns podem ser quase proibitivos, é verdade, mas há muitos cuja diferença é mínima, igual ou mesmo inferior (normalmente na fruta ou produtos a granel). Este grão-de-bico que deu para duas refeições de duas pessoas custou pouco mais de 1,50 euros. Ou seja: por cada pessoa e por refeição ficou abaixo dos 40 cêntimos. Só que falar de alimentação biológica ou de princípios sustentáveis não é ver apenas a etiqueta do preço ou o rótulo com o símbolo verde sem percebermos o que está por detrás. É sobretudo sabermos que, além,...

Continuar a ler