Bolo de curgete e limão

– “Curgete num bolo, Ana?” – parece que vos oiço daí, a questionar o ecrã do computador ou telemóvel ou tablet enquanto franzem o sobrolho, como quem espera respostas de um objecto inerte. Esperem. Não fechem este post antes de lerem o que tenho para vos dizer. Dou-vos algumas razões para não desistirem da minha sugestão antes mesmo de começarem: a curgete é comestível (e isso quase que bastaria), tem inúmeras vitaminas (a maioria na casca, daí a usarmos) e não tem um sabor dominante no bolo. Aliás, praticamente imperceptível. E, por último, só mais uma a meu favor: o princípio da confiança. Alguma vez vos apresentei uma coisa má?  INGREDIENTES 250 g de curgete com casca, finamente ralada Raspa de um limão 3 ovos biológicos 100 g de açúcar amarelo 90 g de manteiga magra sem sal (à temperatura ambiente) 200 g de farinha de espelta branca 1 colher de café (rasa) de canela em pó 2 colheres de chá de fermento em pó para bolos 1 colher de sopa de sementes de papoila 1 colher de sopa de água a ferver (opcional) PREPARAÇÃO Pré-aquecemos o forno a 180º C. Depois bem lavada, ralamos a curgete para uma taça, espremendo,...

Continuar a ler

Pizza de espelta com salmão fumado e abacate

Dizia-me ontem uma amiga que esta pizza era o perfeito “midnight snack” para acompanhar as eleições nos EUA.  Quando me deitei, pouco faltava para a meia-noite, nada se sabia mas havia ponta de esperança, nomeadamente graças à comunidade hispânica que duplicou os votos e se voltaria para Hillary. Assim que acordei, a primeira coisa que fiz foi tirar o modo voo do iPhone e esperar pelo sinal de wi-fi. Abri o Público e vi Donald Trump por todo o lado. Será que acordei mesmo?  O tipo ganhou! Presidência, Senado, Congresso e voto popular (actualização: afinal, não ganhou nos votos, valha-nos isso). A América, básica e desesperada, votou no homem mais abominável que o mundo nos deu a conhecer nos últimos 18 meses de campanha. De polémicas, insultos, mentiras. O mediático Trump, dos anúncios de fast food ou do Sozinho em Casa 2, soube manipular habilmente os eleitores, aproveitando-se do medo e da revolta dos americanos, dos vencidos, dos colarinhos azuis, dos brancos com pouca formação, dos homens e dos deploráveis em toda a linha. Espicaçou-os e eles vingaram-se. A mensagem extremista e populista galopa e atropela-nos. Foi assim com o Brexit, no Reino Unido, foi assim com Temer, no Brasil.,...

Continuar a ler

Noodles de espelta com camarão, pimento e lima

Eis o primeiro post de Setembro, um dos meus meses favoritos. Paira por aqui uma energia revigorante que contrasta com a letargia em que tenho vivido os dois últimos meses. Este ano, não fiz praia e não sinto que tenha tido férias. As mães e os pais de bebés pequeninos deve estar solidários comigo – e eu com eles! – mas não me queixo especialmente disso. O que me dá cabo dos nervos é o trabalho que se acumula e que gera ansiedade. A lista de tarefas cresce, e cresce, e os riscos que se fazem por cima são incomparavelmente menos do que as palavras que vou escrevendo. Agora mesmo, aqui sentada nesta cadeira branca que imita na perfeição uma verdadeira Charles Eames, tenho do meu lado esquerdo um bloco com ideias para futuras receitas, e do lado direito a máquina fotográfica. No computador, várias pastas abertas com fotografias à espera de serem editadas, três e-mails nos rascunhos, e o abençoado relógio digital no canto superior direito que me impõe limites e que me diz que está na hora de dar a sopa à Camila. Dramas da vida moderna.  Para terminar, deixem-me dizer-vos que esta receita é demasiado simples e,...

Continuar a ler