Tarte-creme de coco e limão

Apercebi-me de que estava absolutamente viciada, corrompida, dependente do iPhone no exacto dia em que fiquei sem ele. Levei-o para análise não-invasiva à iStore do Norteshopping e o pobre aparelho, que foi entregue ainda com vida, ficou em observação. O display não reagia. Mais tarde, foi enviado para o laboratório e não mais saiu do coma profundo. Passei uma semana a lamentar a sua ausência até que recebo um aviso de que estava à minha espera um equipamento novo. “Novo”, disseram eles. Comecei tudo do zero. Cópia de segurança feita, passwords repostas, aplicações descarregadas, imagens escolhidas, tons de toque, emparelhamentos vários, tudo isso capaz de me tirar anos de vida figurava agora no meu novíssimo companheiro. Um ou dois dias depois, estava eu parada no trânsito e o sol abrasador e satírico batia no ecrã do iPhone. “Não devo estar a ver bem”, pensei. Tirei os óculos de sol. Limpei o ecrã com a t-shirt, depois com o pano dos óculos e os riscos permaneciam. São internos, uma espécie de cruz que se prolonga e atravessa o ecrã. Voltei à iStore. Não estava particularmente bem disposta, não tinha tempo para passar a vida ali, estavam mais duas pessoas muito zangadas,...

Continuar a ler

Bolo de curgete e limão

– “Curgete num bolo, Ana?” – parece que vos oiço daí, a questionar o ecrã do computador ou telemóvel ou tablet enquanto franzem o sobrolho, como quem espera respostas de um objecto inerte. Esperem. Não fechem este post antes de lerem o que tenho para vos dizer. Dou-vos algumas razões para não desistirem da minha sugestão antes mesmo de começarem: a curgete é comestível (e isso quase que bastaria), tem inúmeras vitaminas (a maioria na casca, daí a usarmos) e não tem um sabor dominante no bolo. Aliás, praticamente imperceptível. E, por último, só mais uma a meu favor: o princípio da confiança. Alguma vez vos apresentei uma coisa má?  INGREDIENTES 250 g de curgete com casca, finamente ralada Raspa de um limão 3 ovos biológicos 100 g de açúcar amarelo 90 g de manteiga magra sem sal (à temperatura ambiente) 200 g de farinha de espelta branca 1 colher de café (rasa) de canela em pó 2 colheres de chá de fermento em pó para bolos 1 colher de sopa de sementes de papoila 1 colher de sopa de água a ferver (opcional) PREPARAÇÃO Pré-aquecemos o forno a 180º C. Depois bem lavada, ralamos a curgete para uma taça, espremendo,...

Continuar a ler

Pudim de curd de limão – Especial P3

Como dizia no P3, no passado dia de São Valentim o meu marido ofereceu-me um livro de culinária do Jamie Oliver publicado em 2001. Passou uma vida entretanto. É curioso ver a evolução do próprio Jamie, e ao mesmo tempo, notar pequenas singularidades que se perpetuaram na linha do tempo: um deles será o (insistente) uso da malagueta vermelha – nada contra, nada contra; o outro será a célebre expressão “Happy Days”, dita e dactilografada vezes sem fim. E, em boa verdade, de forma justa. Não há como não ter uma barriga sorridente com este pudim de limão. Do que precisas: 55 g de manteiga magra sem sal 110 g de açúcar amarelo Raspa toda de 1 limão 2 ovos grandes separados 55 g de farinha com fermento para bolos Nacional 285 ml de leite magro 3 colheres de sopa de sumo de limão 3 hastes de tomilho-limão (opcional, mas muito recomendável)   Vamos a isto: Pré-aquece o forno a 180º C. Bate a manteiga, o açúcar e a raspa de limão numa taça. Separa as gemas das claras e adiciona as gemas e a farinha peneirada ao preparado anterior. Bate bem. Acrescenta agora o leite, o sumo de limão e as,...

Continuar a ler

Bolachinhas de limão e gengibre

Nesta altura do ano há sempre um ou dois tabuleiros destes a sair do forno – deve ser a minha quota parte de gula e de espírito outonal/natalício/romântico a dar à costa. Não costumo comprar bolachas no supermercado (além das Maria, quando me apetece ou preciso para outras aventuras), mas também não passo os domingos a providenciar mantimentos para a semana. Era só o que me faltava. Esta receita é uma combinação clássica e gosto dela por vários motivos: é simples (faz-se com ingredientes básicos), é rápida e é infalível (sai sempre bem e atenua imenso os enjoos da gravidez, por exemplo).  As bolachinhas têm um sabor intenso a limão e a gengibre (se formos generosos nas quantidades, claro) e, além disso, têm pouco açúcar e farinha integral, que ajuda na digestão e na saciedade. Chama-se a isto ver sempre o copo meio cheio.   Também podem aproveitar para as oferecer no Natal, incluindo cortes com formas alusivas à época. Depois, basta distribuírem as ditas por embrulhos de celofane transparente e pôr um lacinho a condizer. INGREDIENTES 50 g de margarina amolecida  110 g de açúcar amarelo 1 ovo Raspa de um limão grande (ou dois pequenos) 1 colher de café (rasa) de,...

Continuar a ler

Bolo de limão e sementes papoila

Se há coisa que eu gosto na cozinha é de tartes e bolos. Por mim, passávamos à frente dos pratos principais e fazíamos almoços e jantares de doces. Um festim. (In)felizmente, não ingiro as quantidades de açúcar que julgo serem altamente recomendáveis para suprir as minhas necessidades diárias, mas estou sempre à procura de uma receita para me vingar no fim-de-semana. Qual seria a graça de me darem dois quilos de limões e eu fazer uma limonada? Esperam mais de mim, que eu sei. Vejamos: é um bolo e vai sempre engordar mais do que uma água aromatizada ou que uma taça de morangos sem chantilly. Agora, se há piores? Muito. Muitos. E o conforto que nos traz uma fatia, não tem balança que pese. INGREDIENTES 180 g de açúcar amarelo 2 vidrados de limão (sem a parte branca) 3 ovos 35 g de manteiga (usei Vaqueiro sabor a manteiga) 1 iogurte magro natural açucarado 150 g de leite magro 250 g de farinha super fina com fermento 1 colher de chá de fermento (usei Royal) 1 colher de chá de canela 1 colher de sopa (bem cheia) de sementes de papoila PREPARAÇÃO Método tradicional Pré-aquecemos o forno a 180º.,...

Continuar a ler