Noodles de curgete e cenoura com pesto de manjericão [receita biológica]

É ainda no processo de conceptualização mental de uma receita que eu defino os pormenores, as cores, os adereços e as louças. Muito pouco ou nada é alterado depois disso.  Quando pensei nuns zoodles (zucchini noodles) soube imediatamente que lhes queria adicionar a cor pungente da cenoura e do tomate-cereja e um guloso molho pesto caseiro elaborado não com parmesão, mas com pecorino. O pecorino é um queijo italiano feito apenas com leite de ovelha, de travo forte e bastante salgado – e é um dos meus preferidos. Quando soube que existia na versão biológica (marca Bio Verde, à venda no espaço Bio & Natural do El Corte Inglés) foi ouro não sobre azul, mas sobre os meus zoodles (literalmente). Para cativar palatos mais sofisticados, acrescentei pinhões inteiros que conferem um toque crocante irresistível – não sou eu que digo: está provado pela gastrofísica que alimentos crocantes aumentam a vontade de comer e induzem prazer. E este “falso” esparguete é para comer sem culpas, não só porque é nutricionalmente equilibrado mas também porque é saudável e livre de químicos. INGREDIENTES[4 pessoas] Pesto de manjericão e pecorino40g de queijo pecorino Bio Verde10 folhas de manjericão biológico Vasco Pinto1 dente de alho biológico,,...

Continuar a ler

Salada de arroz integral, amendoim e ovo

Não me levem a mal a falta de originalidade, mas eu creio que já sou conhecida pela frequência e avidez com que consumo arroz com ovo estrelado. Sem reservas, sem ciência ou arte, sem pretensiosismos ou subterfúgios: arroz e ovo. É uma gramática fechada – como dizia Souto de Moura numa entrevista publicada hoje no DN – que funciona lindamente. Por outro lado, entristece-me ver que as contas de Instagram que sigo são um quase deserto neste tipo de oferta, sobretudo porque pratos destes são altamente “instagramáveis” (já vos mostro no meu IG). Nesta versão mais completa e apetecível, ao arroz integral juntei amendoim torrado, vegetais crocantes e outros nem tanto e muita cor. O arco-íris e a saúde estão à mesa em quinze minutos.  Acompanham-me? INGREDIENTES[2 pessoas]Para a salada1 chávena de arroz integral biológico2 mãos cheias de rúcula selvagem6 a 8 rabanetes laminados4 pétalas de tomate-seco previamente hidratadas em azeite2 ovos biológicosAmendoins ao natural a gostoCoentros picados a gostoAzeite virgem extra q.b.Sal e pimenta-preta moída na altura q.b.Para o molho de mostarda e mel2 colheres de sopa de mel1 colher de chá de mostarda1 colher de sopa de azeite1 pitada de pimenta-preta PREPARAÇÃO Da salada Começamos por cozer o,...

Continuar a ler

Gelado de nectarina, bolacha e iogurte sem açúcar | receita biológica

Imaginem um gelado que combina nectarinas, iogurte e biscoitos crocantes de côco. Já está? Estudos demonstram que se não ficaram a salivar, a probalidade de estarem a mentir é superior a 90% 🙂 Criar sobremesas saudáveis é um permanente desafio que me dá muito gozo. A minha inspiração para esta receita vem de um dos meus gelados favoritos, o strawberry cheesecake da Häagen-Dazs que é um atentado de sabor e, infelizmente, de calorias. Nesta versão, troquei os morangos pela nectarinas, as natas pelo iogurte e queijo-creme, o açúcar pelo mel, as bolachas calóricas pelos biscoitos de espelta e açúcar de côco. Parece simples e é mesmo! Desde que terminou o último resquício de açúcar branco cá em casa – há vários meses -, nunca mais comprei outro. Também não há, na minha exígua despensa, sinal de óleos, margarinas ou natas. A verdade é que, com algum esforço criativo, todos são dispensáveis mesmo quando pretendemos fazer criações gulosas. Já repararam na quantidade e diversidade das receitas que faço sem recorrer a qualquer um deles? Para replicarem este delicioso gelado, só vão precisar de seis ingredientes. Invistam, por isso, em produtos de qualidade e, se possível, biológicos. Os meus vieram todos do,...

Continuar a ler

Papa de cereja e aveia | receita biológica para bebés

Há dias, em conversa com a Catarina Trindade (nutricionista pediátrica de quem já muito vos falei), comentávamos a inexistência de cereais saudáveis para o pequeno-almoço dos miúdos. Isto advinha do facto de que a Camila, do alto dos seus 15 meses e muito exercício nas pernas gordinhas, já não se contenta apenas com o leite. As fórmulas lácteas que as marcas oferecem desde os quatro meses têm uma concentração absurda de açúcar. E quando avançamos um pouco na idade e escrutinamos, por exemplo, o rótulo de uma papa Nestum o cenário não muda. Os ingredientes em maior quantidade, logo depois da farinha de trigo, são a sacarose e o mel. Dois tipos de açúcares. (…) Imagino que muitas mães e pais tenham este preocupação, a de não encontrarem opções rápidas e nutritivas no supermercado para o pequeno-almoço das crias. E é por isso que hoje, especialmente por ser o Dia Mundial da Criança, trago uma sugestão para tornar as manhãs ou os lanches mais saudáveis. A papa com cereja é a minha favorita, mas, precisamente porque é bom variar e porque elas acabam (ohhhh), há uma miríade de combinações possíveis, sendo que prefiro usar a fruta fresca para não perder as propriedades.,...

Continuar a ler

Quatro deliciosas propostas com bolachas de arroz

Nos últimos dias, dediquei-me mais tempo e esse é o motivo da ausência de publicações.  Primeiro, comecei a sentir um cansaço extremo e uma pressão quase insustentável que culminava não raras vezes num paradoxo: ter muitas ideias e não ter vontade ou tempo ou mesmo energia suficiente para as pôr em prática. Os meus dias passavam a voar. Não sei se já vos aconteceu isto, mas ajudou-me imenso perceber quais eram os focos de tensão que podiam ser eliminados e quais eram, de facto, as actividades onde me sentia realizada. É óbvio que nem tudo é tão linear assim, que há problemas que não têm solução à vista, que há preocupações que não se apagam como que por magia. Mas há, isso sim, pequenas alterações que se podem fazer para inverter o curso das coisas. E há uma certeza irrefutável: se não formos nós a fazê-las, ninguém as fará por nós. No meu caso: comecei a sair muito mais de casa, a ir mais vezes ao ginásio ou fazer caminhadas à beira-mar (aproveitando o sol), comecei a não cozinhar tantas vezes (cozinhar por obrigação, diariamente, para nós e para a Camila, estava a esgotar-me), a alimentar-me (ainda) melhor, a beber,...

Continuar a ler