Muffins de maçã e aveia [receita biológica para crianças]

Quando crio receitas doces para miúdos (bolos, muffins, bolachas) gosto de lhes associar uma fruta de modo a que me permita cortar nas quantidades de açúcar. E se é verdade que há bolos que se conseguem fazer (comer) sem qualquer adição de açúcar, outros há que perderiam muito se não o acrescentássemos.  Vamos a alguns pontos positivos de confeccionarmos doces em casa: – Sabemos exactamente aquilo que estamos a comer; – Podemos variar os ingredientes e escolher substitutos mais saudáveis e isentos de químicos; – A adição de açúcar fica ao nosso critério (um queque comprado numa pastelaria tem cerca 300 kcal e 20 gramas de açúcar por unidade. A propósito: recomendo-vos vivamente que vejam o site sinazucar.org. É bastante elucidativo em relação às quantidades de açúcar escondidas nos alimentos, mesmo daqueles aparentemente inofensivos como o iogurte “O Meu Primeiro Danone” ou as bolachas Maria); – Não têm conservantes, corantes, nem aromas artificiais. Estes muffins são uma proposta completa e nutritiva para o lanche das crianças – mas, como qualquer “guloseima”, não o são numa base diária. Tem aproximadamente 104 kcal e 5 gramas de açúcar por unidade. Usei farinha de espelta que, ao contrário do que algumas pessoas pensam, contém glúten, é,...

Continuar a ler

Coisas boas acontecem | Já nas bancas!

Estava ansiosa – digo, ANSIOSA! – por partilhar esta notícia tão boa convosco. Não deixa (ainda) de ser estranho para mim ceder o lugar de entrevistadora para ser a entrevistada, mas o motivo não podia ser melhor: este mês, podem ler-me na revista Pais & Filhos onde falo um pouco sobre mim, a evolução do blogue e dou algumas dicas sobre como tornar a alimentação dos miúdos mais saudável. A edição é imperdível, mas a página 7 é mesmo a mais bonita ♥ Muito obrigada à direcção pelo convite e à Teresa Martins pela entrevista. Em breve, e em exclusivo, estará disponível também uma receita biológica para bebés (na realidade, para toda a família, que o objectivo é sempre o mesmo – descomplicar) no portal online da Pais & Filhos. E amanhã é dia de nova receita aqui no blogue. Até lá! Instagram @anachaves

Continuar a ler

Smoothie de beterraba, morango e baobab

Agora que já cativei a vossa atenção com as cores vibrantes da imagem, vou contar-vos um segredo: embora pareça, eu não sou uma pessoa de modas. Isto é: tudo o que foge ao padrão dito natural/convencional, que é rotulado com nomes estapafúrdios, que não me remete para coisa nenhuma, não me seduz. Quando me deparo com embalagens com nomes indecifráveis franzo sempre o sobrolho. É o caso do camu camu, da spirulina, da lucuma, da macarroba, do baobab – a lista era infindável! – e contam-se pelos dedos as que tenho em casa. Há dias até em que me sinto completamente assoberbada com tanta informação. Só que há outra parte de mim que não gosta de viver na ignorância e assim que tenho mais tempo gosto de explorar e interpretar os rótulos. Foi o que aconteceu com este superalimento da Iswari, o baobab. Trata-se de uma fruto nativo de África que quando seca é transformado num pó de tonalidade branca. O sabor é ácido e assemelha-se ao de um citrino, mas distingue-se pelas suas propriedades nutritivas, sendo mais rico e poderoso que uma laranja comum. Fiz este smoothie agora de manhã para o pequeno-almoço – e vou confidenciar-vos um outro facto:,...

Continuar a ler

Almôndegas de peru com manjericão, esparguete integral e bimis

A Camila faz um ano na próxima segunda-feira (dia 27). Primeiro, pensei que podia delegar tudo numa daquelas empresas de organização de eventos – eu, ingénua me confesso – que cobram no mínimo uns 500 euros para decorar só a mesa da festa. Empresas conhecidas, é claro. Se falarmos em toda a sala, mais adereços para fotografias e outros pequenos detalhes a coisa pode descambar para os 900-1000 euros alegremente. Há festas que chegam aos 5000 euros, por exemplo. Não são festas, são happenings e é um assalto. Resultado: pus mãos à obra. Fui à papelaria comprar uma espécie de cartolinas esponjosas para fazer uns corações, colas, pauzinhos, cartões e afins e tudo o que são artigos para festa (copos, pratos, grinaldas, pompons, balões, etc.) foi comprado online na Docinho de Açúcar, que tem coisas verdadeiramente espectaculares e com muito bom ar. Em dois dias estava tudo cá em casa. Entretanto, falta o bolo (ainda pensei em fazer, mas depois tive um rasgo de lucidez e abandonei a ideia), os cupcakes e as bolachas com os animais da quinta: sei o que quero, como quero e encontrei uma cake designer que tem um portfólio de babar. Vamos ver se tudo,...

Continuar a ler

Lancheiras escolares biológicas para toda a semana

Há muito tempo que ando a preparar este post e fico muito feliz por mostrar ao ursinho a luz do dia.Nos workshops que fiz sobre alimentação infantil houve sempre o mesmo pedido por parte dos pais: o que lhe posso enviar para a escola? Seja por falta de tempo, de ideias ou mesmo por falta de informação, a maioria dos pais acaba por mandar todos os dias o mesmo lanche: um pacote de leite e um pão. Ou bolachas. Na pior das hipóteses (mas que não é assim tão raro, infelizmente) bolos, bollycaos, batatas fritas, o que for. Uma das coisas que mais me impressionou desde que comecei a fazer este projecto foi o facto de ter sabido que há crianças que comem rissóis ao pequeno-almoço. Fiquei perplexa. Por muito mal que uma criança se alimente, dar-lhe fritos, gordura pura e nenhuma vitamina boa logo pela manhã, ultrapassa todos os limites do aceitável. Essas crianças são as mesmas que não comem sopa ou vegetais e os pais dessas crianças não virão certamente aqui ao blogue ler este post, porque basicamente, não se interessam pelo tema. Não digo isto de ânimo leve. São poucos os pais que realmente se importam com,...

Continuar a ler