Salada de figos e queijo de cabra gratinado

Preparamos uma salada como quem adoça o coração e sentamo-nos à espera que o prato condiga com a cor do que o estômago imaginou. Aproveitamos a fruta da época que nos chega do campo, em cestos de vime carregados de mel. Juntamos-lhe queijo de cabra porque faz sentido e o óbvio é, às vezes, a única coisa que apetece. INGREDIENTES [2 pessoas] 1 mão cheia de mistura de alfaces (verde, roxa e rúcula)6 rodelas de queijo de cabra1 fio de mel20 ml de vinagre balsâmico3 ou 4 figos madurosSementes de sésamo q.b. PREPARAÇÃO Cortamos o queijo de cabra em rodelas, dispomos num tabuleiro e regamos com um fio de mel. Levamos a gratinar no forno pré-aquecido a 200º por cerca de 10 minutos, até apresentar um tom dourado. Enquanto isso, fazemos a redução de balsâmico: vertemos o vinagre para um tacho ou frigideira anti-aderente e esperamos que reduza para metade da quantidade, agitando de vez em quando. Reservamos. No fundo de um prato côncavo, colocamos a mistura de alfaces, os figos cortados em quartos e as rodelas de queijo.  Temperamos com a redução de balsâmico e polvilhamos, a gosto, com sementes de sésamo previamente tostadas. [O Sweet Bigas também está,...

Continuar a ler

Portobello no forno, tomate e mozzarella – Especial P3

Este sábado foi dia de nova receita no P3.  O tempo de preparação deste prato é quase risível. Dois minutos, dois e meio? Não cronometrei, mas devia.  Sirvam os cogumelos ainda quentes e acompanhem-nos com uma salada verde e fatias extra de mozzarella. Nós por cá, agora mais consoladas, ficamos à espera do vosso feedback. Já nos seguem no Instagram @anachaves? 🙂

Continuar a ler

“Pão” de banana, aveia e coco

É um pão doce feito em forma de bolo (inglês). Tem, à partida, uma série de critérios para não se chamar pão, não fosse a consistência ser muito semelhante à de… um pão. Quando a porta do forno se abre e o palito me diz que está no ponto, já toda a casa cheira a aveia, açúcar amarelo caramelizado e banana e assim que arrefece cinco minutos (o tempo máximo que a sofreguice se permite a esperar) já só resta metade. Cortaram-se fatias generosas e soprou-se para não queimar a língua. O acompanhamento (iogurte grego, compota ou apenas um chá?) e tudo o resto só a nós (a vós) pertence. A Bigas saliva. INGREDIENTES Receita adaptada da Mafalda Pinto Leite 125 g de bebida de côco (usei Alpro) 120 g de açúcar amarelo + extra para polvilhar 2 ovos 1 colher de chá de aroma de baunilha 3 bananas maduras, esmagadas 80 g de flocos de aveia finos 240 g de farinha sem fermento 1 colher de chá de fermento em pó ½ colher de chá de sal 1 colher de chá de canela em pó PREPARAÇÃO Pré-aquecemos o forno a 180º.  Numa taça de batedeira, juntamos a bebida de côco, o,...

Continuar a ler

Hambúrgueres de bacalhau e aveia

Quando o blogue era apenas uma miragem – um projecto com a sua quota parte de incerteza e vontade – partilhei esta receita com uma amiga. Uns dias depois, recebi no telemóvel uma fotografia dos hambúrgueres. Estava na hora de jantar, eu na cozinha, a Bigas ali, vigilante do fogão a ver se a sorte lhe chegava. Fitei-lhe o focinho e os olhos pequeninos. Silêncio aparente, e todo um rio de ideias a correr-me pelos nervos. Ela estática, eu prestes a desaguar neste mar imenso. INGREDIENTES [7 hambúrgueres grandes] Receita adaptada de um dos livros da Bimby 75 g de flocos de aveia 100 g de cebola 15 g de ervas aromáticas (salsa e tomilho, por exemplo) 600 g de bacalhau demolhado e desfiado 1 ovo 1 colher de chá de mostarda Pimenta preta q.b. Método tradicional Num processador de cozinha, reduzimos os flocos de aveia a pó. Reservamos num recipiente. Picamos uma cebola grande e ervas aromáticas à nossa escolha (gosto de usar folhas de salsa, tomilho e hortelã) e misturamos numa taça grande juntamente com o bacalhau (toda a quantidade, bem desfiado), o ovo, a mostarda e pimenta preta moída na hora. Com as mãos, amassamos até que,...

Continuar a ler

Salada caprese com pêssego e redução de balsâmico – Especial P3

Cinco minutos e quarenta e oito segundos. Foi o tempo que demorei a preparar esta refeição – em menos ainda lê-se este poema: Pára-me um tempo por dentropassa-me um tempo por fora. O tempo que foi constanteno meu contra tempo estarpassa-me agora adiantecomo se fosse parar.Por cada relógio certono tempo que sou agorahá um tempo descobertono tempo que se demora. Fica-me o tempo por dentropassa-me o tempo por fora. O Relógio, Ary dos Santos Bom fim-de-semana. [O Sweet Bigas também está no Facebook e no Instagram (@anachaves)]

Continuar a ler